• Rodolpho Hoth Hoth

Eleições para Administradores Regionais

A lei 6.260 de 2019, publicada nesta terça-feira (5) no Diário Oficial do Distrito Federal determina a participação popular no processo de escolha dos administradores regionais.

O instrumento é aposta para evitar o esquema usual de troca de cargos nos órgãos para barganha política e finalmente obedece ao comando previsto na Lei Orgânica da capital.


A lei prevê que todo o processo de escolha dos administradores regionais deve ser organizado e concluído nos primeiros três meses do mandato do governador e tem validade de quatro anos. Para ser chefe da administração, é preciso ter pelo menos 25 anos e morar há mais de 12 meses na região. Durante o exercício do cargo, a pessoa não poderá se mudar.


É vetada a candidatura aqueles que têm dívida ativa, que foi demitido de cargo público ou que seja inelegível conforme a Lei Eleitoral.


Especialista em Administração Pública, Rui Magalhães defende que os administradores regionais “em hipótese alguma poderiam ser cargos em comissão do governo”. Para ele, é preciso que os gestores precisam estar diretamente vinculados à sociedade. “Muitas vezes, os escolhidos são meramente políticos que visam se eleger futuramente e sequer conhecem a cidade. Passando por um crivo eleitoral, esse juízo será feito e a população saberá quais as pretensões do sujeito”.


O professor cobra um processo avaliativo para retirada dos nomes caso não respondam às necessidades da sociedade. “Não deveria ser cargo fixo. Se o programa de governo não for cumprido, é preciso ter uma forma de retirada, talvez por votação da comunidade a cada seis meses”, diz. Rui Magalhães compara os gestores regionais à síndicos. Assim, a autonomia com o GDF não é vista como problema, uma vez que os nomeados precisam atuar como ponte entre a sociedade e o Executivo.


Passo a passo  O processo de escolha passa por cinco fases. O primeiro passo é a inscrição, que deve ter prazo de dez dias após chamamento público, para depois a documentação ser analisada em caráter eliminatório. Em seguida, começa o período para apresentação e julgamento de impugnação das candidaturas.


Cessada a etapa, os nomes passam por eleição e são considerados escolhidos os dez mais votados. O voto é direto, secreto e facultativo. Por fim, o governador deve tomar administrador um dos três primeiros colocados nesse processo. Até isso acontecer, o chefe do Executivo pode indicar um ocupante interino do cargo.


A lei determina que o candidato precisa ter apoio de um partido político com representação na CLDF, de pelo menos 10% das entidades da sociedade civil da região ou de, no mínimo, 1% dos eleitores em abaixo-assinado. A exceção fica por conta daqueles que já tenham exercido cargo eletivo pelo DF ou que tenha experiência de administrador regional por pelo menos um ano.


O texto, de autoria do deputado Chico Vigilante (PT), foi promulgado pelo presidente CLDF, Rafael Prudente (MDB), após muito vai e volta.


Promessa antiga A escolha do administrador regional por meio de lista tríplice criada por moradores foi promessa de campanha de Ibaneis. “As Regiões Administrativas terão seus administradores indicados pela sociedade civil organizada local e pelos cidadãos, em lista tríplice a ser submetida ao governador que escolherá o administrador para exercício de cargo de confiança de natureza especial”, dizia o plano de governo que elegeu o emedebista.


No entanto, antecessor Rodrigo Rollemberg (PSB) já havia passado os últimos quatro anos debruçado no tema, que também era promessa de campanha nas eleições de 2014, mas foi entravado. Ele vetou o projeto logo que teve oportunidade. Em dezembro de 2017, os deputados distritais chegaram a aprovar o projeto que, hoje, passa a vigorar. Na época, porém, vetou o texto.


O então chefe do Executivo devolveu um projeto à CLDF uma nova proposta, bastante similar ao aprovado agora. A grande diferença era que o socialista queria postergar para que a participação popular só começasse em 2022, com as eleições para a Presidência da República e outros cargos majoritários.


Saiba mais  Na primeira semana de governo, quando nomeou os administradores regionais da capital, Ibaneis Rocha deu prazo de validade para a presença dos indicados: seis meses para mostrarem serviço.


Na época, o emedebista mencionou que esse era o prazo máximo para que o imbróglio relacionado às eleições para administradores regionais fossem resolvidos, mas a promulgação saiu bem antes do esperado.


Agora, o chefe do Executivo deve enviar à CLDF o projeto de criação de três novas cidades: Arapoanga, Arniqueiras e Pôr do Sol/Sol Nascente devem se desmembrar das grandes regiões que ocupam, integrando, também, o processo eleitoral de escolha dos representantes.

Fonte: https://jornaldebrasilia.com.br/politica-e-poder/lei-que-garante-eleicoes-para-administradores-regionais-e-publicada/

Em Taguatinga, Rodolpho Hoth Hoth apoia Mateus Lolas.

Saiba mais: http://amigosdohothhoth.wixsite.com/hoth/post/mateus-lolas-taguatinga-merece-taguatinga-precisa

Mateus Lolas - Taguatinga merece, Taguatinga precisa!

©2018 Rodolpho Hoth Hoth

LIGUE

(61) 98244-5800
 

© 2016 por Rodolfo Hoth. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now